CHACINAS NO RS

Stela afirma que números da violência

são resultado da falta de políticas de Sartori

Ronaldo Quadrado

Ronaldo Quadrado

O aumento da violência no Rio Grande do Sul, em especial na região Metropolitana de Porto Alegre, não está restrito à atuação da Segurança Pública e decorre da falta de políticas públicas e do corte de investimentos em educação e saúde. A afirmação foi feita pela líder da Bancada do PT na Assembleia Legislativa, deputada Stela Farias, durante sessão plenária desta terça-feira (19). A parlamentar destacou a notícia de mais uma tragédia na Região Metropolitana, com a chacina deixou sete mortos em Viamão, sendo quatro mulheres e três homens.

Segundo Stela, só neste ano foi a terceira chacina na mesma cidade. Há pouco mais de um mês, outra já havia deixado três mortos. Ao todo, as vítimas de chacina em Viamão já somam 13 pessoas somente em 2018. No último sábado, outras quatro pessoas foram executadas em Porto Alegre. No total, somente nestes seis meses de 2018, foram 49 mortos em chacinas na Região Metropolitana.

Conforme a deputada, Viamão assim como Alvorada ocupam a 21ª e a 30ª posição, respectivamente, no ranking das localidades com mais de 100 mil habitantes, entre as cidades mais violentas do Brasil. Os dados são do Atlas da Violência do Brasil, que trabalha com informações confiáveis da Saúde e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado no último dia 15 de junho. A líder petista afirmou que “esses números não foram adulterados para mascarar a falta de políticas adequadas na área, como aconteceu no Rio Grande do Sul, em 2017, quando 540 homicídios sumiram das estatísticas”.

Stela apontou a falta de acesso à Educação como um dos principais fatores do crescimento da criminalidade. "O Rio Grande do Sul teve mais de 3 mil turmas extintas e 42 escolas públicas fechadas de 2015 até 2018. A maioria em comunidades de baixa renda. Isso faz com que os jovens sejam cooptados pelo tráfico de drogas, já que o Estado não oferece alternativas".

Outro fator destacado pela líder petista é o desinvestimento do Governo Sartori na Segurança Pública. "No primeiro ano de mandato houve redução de 90% nos recursos para área, refletindo na diminuição de operações policiais, no corte de horas extras e nas gratificações de permanência de PMs e policias civis", ressaltou Stela.

Somente nos dois primeiros anos, houve uma queda de 30% nas prisões em flagrante; o policiamento caiu 40% e as ações de patrulhamento caíram 31%. Para a deputada Stela Farias, a opção do governador José Ivo Sartori em cortar recursos para a Segurança Pública veio “para justificar a retórica da crise e das políticas de Estado Mínimo, que adotam os partidos sem projeto”.

No final da manifestação na tribuna do Legislativo, a líder petista afirmou que, “curiosamente, só agora, há poucos meses da eleição, apareceu dinheiro, um subterfúgio conhecido na política tradicional, que aposta na amnésia e na falta de informação induzida da nossa população”. Para a parlamentar, “essa é uma prática que custou centenas de vidas, destroçou famílias inteiras, causou enormes danos à economia, ao comércio e, ironicamente, em nome de um discurso de modernidade, trouxe mais atraso e mais retrocesso ao Rio Grande do Sul, assim como o mesmo partido fez com o país nos últimos dois anos”.

Texto: Roger da Rosa (MTE 6956)

 

 

Publicado em 19/06/2018 às 17:41

Texto: Roger da Rosa (MTE 6956)

BANCADA / stela

Compartilhar

Deputadas Estaduais

Stela Farias

Líder da Bancada

Stela Farias

Miriam Marroni

Vice-líder Partidária

Miriam Marroni

 

Deputados Estaduais

Luiz Fernando Mainardi

Vice-líder da Bancada

Luiz Fernando Mainardi

Tarcísio Zimmermann

Líder Partidário

Tarcísio Zimmermann

Endereço: Praça Marechal Deodoro, 101/506 - Porto Alegre-RS - Fones: (51)3210-2913 (Bancada) e (51)3210-1123 (Imprensa)
ptsul@ptsul.com.br

Projetado, desenvolvido e mantido pela coordenadoria da Bancada do PT/AL-RS

Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Adaptada